Aos 89 anos, Genival Lacerda perde a luta contra o COVID

Ícone da cultura pop e do nordeste, cantor morre em decorrência do COVID

O cantor Genival Lacerda morreu nesta quinta-feira (7), aos 89 anos, após travar uma dura luta com a Covid-19. O paraibano estava internado desde o dia 30 de novembro em um hospital do Recife por conta de uma pneumonia causada pelo novo coronavírus.  A morte foi confirmada pelo filho do cantor, João Lacerda, por meio das redes sociais. (Veja na postagem abaixo)

Durante o internamento, família do cantor pediu por meio das redes sociais que fãs, familiares e amigos doassem sangue para o tratamento de Genival. Dias antes, o quadro de saúde dele havia piorado após uma queda na pressão arterial e uma nova infecção no pulmão. 

Desde que foi internado, o cantor apresentou melhoras e pioras. No dia 9 de dezembro, o quadro de Genival foi definido como animador após a evolução. “Segundo os médicos, o cantor continua em constante evolução, com as taxas normais e sem febre”, anunciou a família pelas redes sociais. 

Um dia depois, no entanto, a infecção respiratória piorou e a pressão diminuiu. Já no dia 15 de dezembro, um boletim médico apontou que o quadro clínico do artista teve piora e era considerado gravíssimo, com comprometimento do pulmão. 

Foi no dia do Natal que Genival apresentou melhora. “Ele está traqueostomizado no 22º dia de ventilação mecânica. Mantém pressão estável, sem necessidade de drogas vasoativas. Respondeu bem ao tratamento antibiótico, superando no momento um quadro de infecção respiratória”, constava no boletim médico do dia 25 de dezembro.

Estado de saúde

Em maio de 2020, o cantor sofreu um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e precisou ficar internado por três dias. 

Com mais de 60 anos de carreira, Genival reúne entre os sucessos as músicas: “Severina Xique Xique”, “De quem é esse jegue?” e “Radinho de Pilha”.

Trajetória do cantor

Natural de Campina Grande (PB), Genival Lacerda nasceu no dia 5 de abril de 1931. Aos 25 anos, lançou seu primeiro disco, com a interpretação de “Coco de 56” (parceria dele com João Vicente) e de “Dance o xaxado”, feita por ele e Manoel Avelino. O artista atravessou o restante da segunda metade da década de 1950 e todos os anos de 1960 com uma série de lançamentos.

“Severina xique-xique”, seu maior sucesso da carreira, foi gravada pela primeira vez em 1975. A música fez parte do LP “Aqui tem catimberê”. Parceria dele com João Gonçalves, o hit alavancou as vendas do disco, que teve 800 mil cópias vendidas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Super 80 é uma marca do Grupo ESPORTESNET
%d blogueiros gostam disto: